Assessoria empresarial em sp alerta com o feirão limpa nome. Saiba como sair do vermelho com inteligência

Feirão Limpa Nome e Mutirão Para Acertar Contas é Ilusão

Todo final de ano os bancos fazem verdadeiras “campanhas” para limpar o bolso de quem está devendo, afinal é nesta época que começa a circular  dinheiro extra no mercado. O consumidor mal informado paga mais caro nas dívidas, fica sem o 13º salário e, em alguns casos, chega a se desfazer de bens que lutou a vida inteira para conquistar, só para pagar o banco.

A pressão exercida pelo sistema bancário e escritórios de cobrança sobre os devedores é tão grande que chega a afetar a saúde e o relacionamento familiartambém. Diariamente, ouço relatos de pessoas que não enxergam mais solução para o problema. Pessoas que venderam um imóvel ou um carro já quitado para pagar juros aos bancos.

Concordo plenamente que toda dívida deve ser paga, porém sem exageros, sem extorsão, sem coação.

Isso está acontecendo com você? Agende uma consulta com nossos especialistas pelo telefone: (11) 3105-5218 ou pelo e mail:  marcelo@marcelosegredo.com.br

Feirão Limpa Nome e Mutirão Online Acertando suas Contas são ilusórios

A imprensa anuncia com grande alarde que são oferecidos descontos que variam de 30% a 80% nas dívidas, empurrando milhares de consumidores para as garras dos gaviões. Oras; será que os jornalistas andam tão ingênuos assim? Como pode o banco oferecer tamanho desconto sem pressão alguma? É amigo, nem tudo que passa na TV é verdade.

Os bancos oferecem esses descontos simplesmente porque os juros que foram cobrados até que sua dívidachegasse ao que chegou estão muito acima do que realmente deveriam ser, veja esse simples exemplo:

Suponha que você tem um dívida de 5.000,00 com o cartão de crédito e deixou de pagá-la em 15/01/2012.  OS cartões nesses casos de inadimplência aplicam juros 18% ao mês, mais correção monetária e multa, ou seja; mais de 600% ao ano.  Atualizando essa dívida até 15/10/2013, essa estaria hoje na casa dos R$ 39.280,98.

Porém se atualizarmos essa dívida nesse mesmo período porém aplicando os juros médios de mercado de cartão de crédito que giram em torno de 10% ao mês, essa mesma dívida estaria hoje em R$ 16.916,50.

Como o Banco Cobra superfaturando a dívida

Como o banco deveria cobrar

Atualização de dívida de R$ 5.000,00 de 15-Outubro-2012 para 15-Outubro-2013:

Valor original: R$5.000,00

Índice de atualização: INPC – Índ. nac. de preços ao consumidor (01-04-1979 a 31-10-2013)
Multa: 2,0000%
Taxa de juros: 18,0000% ao mês compostos, pro-rata die

Valor atualizado pelo índice INPC :     R$    5.284,43
Valor com multa de 2,0000%:              R$    5.390,12
Valor com juros de 18,0000% ao mês: R$ 39.280,98

Valor da dívida em 15-Outubro-2013: R$39.280,98

 

Atualização de dívida de R$ 5.000,00 de 15-Outubro-2012 para 15-Outubro-2013:

Valor original: R$ 5.000,00
Índice de atualização: INPC – Índ. nac. de preços ao consumidor (01-04-1979 a 31-10-2013)
Multa: 2,0000%
Taxa de juros: 10,0000% ao mês compostos, pro-rata die

Valor atualizado pelo índice INPC : R$5.284,43
Valor com multa de 2,0000%: R$5.390,12
Valor com juros de 10,0000% ao mês: R$16.916,50

Valor da dívida em 15-Outubro-2013: R$16.916,50

Aplicando desconto de 50% = R$ 19.640,00

Aplicando desconto de 50% = R$ 8.458,25

 

Fica portando, provado que na verdade o banco não está sendo bonzinho em nada e sim simplesmente tirando o excesso de juros para seduzi-lo a um acordo onde só ele ganha.  Observe que mesmo oferecendo um desconto de 50% na dívida o saldo devedor ainda é de R$ 19.640,00, ao passo que a dívida real(com base nos juros médios do mercado) seria de R$ 16.916,50.  Ou seja; um presente de grego não é mesmo?

Agora, se você mantiver esses R$ 5.000,00 aplicados pelo mesmo período de tempo, considerando o rendimento que vem sendo oferecidos nas aplicações de 0,5% ao mês, ou seja; míseros 6% ao ano terá apenas R$ 5.308,39.

Atualização de dívida de R$5.000,00 de 15-Outubro-2012 para 15-Outubro-2013:

Valor original: R$5.000,00
Taxa de juros: 0,5000% ao mês compostos, pro-rata die

Valor com juros de 0,5000% ao mês: R$5.308,39

Valor da dívida em 15-Outubro-2013: R$5.308,39

 

O banco está oferecendo uma renegociação, devo aceitar?

Em 90% dos casos, a proposta de renegociação é desaconselhável, uma vez que a ela mais juros serão cobrados noparcelamento da dívida. Veja exemplo: recebi hoje um senhor cuja dívida no banco Itaú é de R$ 3.850,00 e o banco oferece um acordo para que ele pague 12 parcelas de R$ 463,00. Veja que, num passe de mágica, sua dívida passou a ser de R$ 5.555,94. Nessa proposta, o Itaú está cobrando 7,50% ao mês de juros. Isso é acordo para ajudar quem já está devendo? É exatamente esse tipo de proposta que é oferecida no Feirão Limpa Nome e no Mutirão Online Acertando suas Contas.  Esses eventos podem ser interessantes somente para quem tem condições dequitar a dívida à vista.

Mas então como posso reduzir minha dívida sem ser extorquido?

Caro consumidor, o momento é de reflexão, um passo em falso pode tornar uma dívida simples numa dívida impagável. Existem mecanismos administrativos e judiciais que podem reduzir sua dívida com descontos reais de até 90%, e até mesmo o parcelamento dessas dívidas com juros que não passam de 2% ao mês, basta saber como utilizá-los em seu favor.

O que eu não devo fazer?

Quando estamos devendo, a primeira coisa que fazemos é procurar socorro onde ainda temos crédito. Ou seja; se você está devendo para o banco X, corre no banco Y e na financeira Z para pegar dinheiro e cobrir a dívida anterior. Isso não se faz em hipótese alguma, e só vai piorar sua situação, como também não adianta ficar pagando apenas os juros ou o mínimo do cartão de crédito. O mal tem que ser cortado pela raiz.

A dívida caduca após cinco anos?

Não. O que ocorre é que a restrição na Serasa e no SCPC não pode permanecer por mais de cinco anos, porém a dívida continua a existir e pode ser cobrada pelo credor a qualquer momento.

O banco pode penhorar minha casa?

Isso somente ocorre caso o consumidor tenha mais de um imóvel em seu nome, porém se possuir um único imóvel, o mesmo não poderá ser penhorado, salvo o hipótese do consumidor ter dado esse imóvel como garantia ao banco. O consumidor jamais deverá vender um imóvel para pagar o banco, existem muitos meios e artifícios legais para isso.

O banco pode bloquear minha conta corrente e meu salário?

O banco pode pedir o bloqueio judicial de salário e valores disponíveis em conta corrente e conta poupança. Se for uma conta onde são creditados os vencimentos (salário), o mesmo não poderá apoderar-se de seu salário, é entendimento do judiciário que, nessas situações, o valor máximo permitido é a retenção de até 30%, ou seja, se você recebe R$ 2 mil de salário, o valor máximo a ser retido seria de R$ 600,00.

O banco pode penhorar um carro para o pagamento de uma dívida de conta corrente ou de cartão de crédito?

Sim. Os bancos estão mais rápidos do que nunca nesse sentido, uma vez que a legislação vigente lhes dá esse direito. Eles esperam que a dívida atinja um valor que compense a entrada de uma ação judicial.

 

Compartilhar