A assessoria empresarial em São Paulo te ajudar a organizar as finanças

Você já fez seu pé de meia?

Como organizar as finanças em cada etapa da vida? É comum ver pessoas com 40 ou 50 anos dizerem “Se quando eu era jovem tivesse a cabeça que tenho hoje, minha vida teria sido diferente”, pois é, isso é fato. Geralmente essa frase está atrelada a alguma frustração profissional ou financeira. Diria que mais de 2/3 dos brasileiros não foram educados a pensar no futuro, fazer reservas financeiras e sim a viver o presente, tanto que segundo a última pesquisa de março/2013 revelou que 61,2% dos brasileiros estão endividados.

Organizar as finanças e conseguir adequar os gastos à renda mensal é um desafio constante em todas as fases da vida, basta um simples descuido para que você coloque tudo a perder. Mas será que o planejamento financeiro muda ao longo dos anos? É importante considerar cada etapa da vida e mudar os planos de acordo com elas?

O orçamento pode ser adequado para as diferentes fases da vida, desde os jovens, que normalmente ainda não têm uma família constituída e possuem gastos específicos, com diversão, roupas e estudos, por exemplo, até os aposentados, que já não estão mais no mercado de trabalho e possuem outros tipos de gastos.  Muito bem, agora vamos classificar as prioridades por faixas etárias para entender um pouco mais tudo isso:

Dos 18 aos 30 anos – Nesta fase, a maiorias dos jovens ainda moram com os pais e possuem não possuem pouquíssimas responsabilidades financeiras. É exatamente nessa fase da vida que se deve começar a fazer seu pé de meia. Não estou dizendo que ele deve privar-se das coisas que mais gosta, como sair com os amigos, mas é importante adequar estes gastos à sua realidade e conciliá-los com a renda.

O grande erro dos jovens e principalmente dos pais na maioria das vezes é insistir que o filho faça parte de determinado grupo social que não condiz com a sua renda familiar. Já presenciei o caso de um pai que ganhava R$ 1.200,00 mensais, e comprou um tênis de marca para o filho que custava R$ 890,00, só porque os amigos dele também tinham e seu filho não poderia ficar para traz.

Dos 30 aos 45 anos – Nesta fase da vida, as pessoas já estão inseridas no mercado de trabalho e a renda já está mais consolidada. Ao mesmo tempo, as responsabilidades costumam ser bem maiores. Gastos com escola, saúde dos filhos e financiamentos são bastante comuns. Muitos comprometem mais de 80% da renda familiar com dívidas de cartão de crédito, cheque especial e financiamentos.  Atenção: Não deixe que os financiamentos ultrapassem 30% da renda e inclua sempre as parcelas na planilha de orçamento, para evitar esquecimento e descontrole.

Mas, aonde devo investir meu dinheiro? – Com relação aos investimentos, nesta fase, além de um plano normal de previdência, é importante pensar em outras aplicações para o longo prazo. É importante diversificar, formar uma carteira de ações para daqui a 20, 30 anos poder utilizar os benefícios da renda passiva. Lembre-se, no entanto, de diminuir a exposição ao risco com o passar do tempo, para evitar prejuízos.

Aposentadoria – Para aqueles que já estão na idade de se aposentar, os gastos geralmente passam a ser outros. A pessoa deixa de se preocupar com despesas relativas aos filhos, mas surgem outras, com saúde e medicamentos.
Assim, para quem poupou durante toda a vida e agora possui uma renda suficiente para parar de trabalhar e viver de maneira confortável, é hora de aproveitar, sempre com moderação.

Já para quem não fez um plano de aposentadoria e não possui uma renda suficiente, é mais complicado. Neste caso, se for possível, continue a trabalhar e economize o máximo possível.

Em qualquer fase da vida – A partir do momento que a pessoa começa a ter um rendimento e responsabilidades, é importante pensar na formação da reserva de emergência, ou seja, um dinheiro que esteja disponível na hora que precisar. Na minha opinião o ideal o ideal é que se guarde em torno de doze meses de despesas, ou seja, se seus gastos mensais são R$ 1.000,00, por exemplo, você deverá ter uma reserva financeira de no mínimo R$ 12.000,00. Assustado? Acha impossível?

Na próxima semana vou te explicar como fazer isso de forma tranquila e organizada, até lá. Não deixe de aproveitar o final de semana com sua família.

Compartilhar